quarta-feira, 6 de julho de 2011

Tecidos vegetais

A organização do corpo dos vegetais é bem diferente da organização do corpo dos animais. A maior parte dessas diferenças deve ser interpretada como adaptações ao modo autotrófico de vida que caracteriza os vegetais, em posição ao modo heterotrófico dos animais.
Os tecidos vegetais podem ser divididos em tecidos de formação (tecidos meristemáticos ou meristemas) e tecidos adultos (permanentes ou diferenciados).

Meristemas:

O meristema é um sistema embrionário,com células não diferenciadas,que conserva as características embrionárias,com intensa divisão celular,colaborando para o crescimento da planta.
O meristema pode ser dividir em primário ou epical  e secundário ou lateral .

Meristema primário: Este meristema tem como função promover o crescimento da planta, ou seja, altura, As dicotiledôneas e as gimnospermas inician seu desenvolvimento graças a atividade do meristema primário.

Este meristema primário se divide em:
Protoderme: origina a epiderme tecido protetor que reveste o vegetal.
Procâmbio:diferencia-se nos tecidos condutores se seiva,localiza-se no interior da raiz e do caule.
Meristema fundamental:produz os demais tecidos da planta ,responsáveis pela sustentação,pela fotossíntese,pelo armazenamentode substancias.





Meristema secundário:Tem como função o crescimento lateral e espessura.
Divide-se em:
Felogênio: localizado na parte mais externa do caule e da raiz,forma células de preenchimento e de reserva.
Câmbio: localizado mais inteiramente no caule e na raiz produz novos vasos condutores de seiva a medida que o vegetal aumenta de espessura.




tecidos de revestimento e proteção


 Esse revestimento dos vegetais fornece proteção mecânica e evitam desidratação,a dois tipos de tecidos protetores,são eles:
Epiderme: é um tecido vivo originado do dermatogênio, constituído por uma única camada de células vivas e firmemente unidas, conferindo à planta, uma grande proteção mecânica. As células epidérmicas são transparentes e não possuem cloroplastos, pois não realizam a fotossíntese. A epiderme pode sofrer adaptações em sua estrutura conforme o meio em que a planta se encontra, com a função de realizar plenamente sua função no vegetal.

Algumas variações da epiderme: 

Cutícula: Encontrada em cactos, a cutícula é uma película de cutina que tem por objetivo ocasionar a perda de água por transpiração. 
Pêlos: São projeções formadas por uma ou mais células com a função de regular a transpiração excessiva da planta.
Acúleos: Os acúleos são saliências pontiagudas formadas por células epidérmicas que servem como uma estrutura de proteção ao vegetal. Papilas: É a epiderme que reveste as pétalas de certas flores, facilitando o processo de polinização. 
Estômatos: É a mais importante variação da epiderme, pois regula as trocas gasosas entre o vegetal e o meio externo.
 
O súber, ao contrário da epiderme, é formado por células mortas, reduzidas à parede suberificada, surge assim que o vegetal começa a engrossar. As células do súber formam as diversas camadas da casca de uma árvore
.


TECIDOS DE ASSIMILAÇÃO E RESERVA

O sistema responsável pela reserva de substancias são formados por tecidos chamados de parênquimas. Há dois tipos de parênquima:

Parênquima de assimilação: responsável pela fotossíntese;portanto,rico em cloroplastos.Esta presente nas folhas e nos caules jovens,sob duas formas: parênquima paliçádico e parênquima lacunoso. 
Parênquima de reserva: armazena amido e desenvolve-se nas partes mais internas do caule,nas raízes,nas sementes e nos frutos.

 

Tecido de sustentação

Formados por células de parede espessa, que dão resistência e sustentação às diferentes partes da planta, esses tecidos podem ser de dois tipos:
Colênquima: presente em partes jovens da planta e em vegetais herbáceos, localiza-se na periferia do caule e da folha logo abaixo da epiderme; é formado por um grupo de células vivas, resistente, e grande flexibilidade.
Esclerênquima: é formado por células mortas, com paredes espessas, constituídas de celulose e de lignina, podem ser de dois tipos, fibra frequentemente associadas aos tecidos de condução, ajudando na sustentação da planta e os esclereides  célula responsável pela sustentação e proteção dos embriões de algumas sementes ,mas também encontrado em outras partes do vegetal.


Tecidos condutores de seiva

 Os tecidos condutores têm a função de conduzir água e elementos nutritivos (seiva) para o interior do vegetal. Através do processo de fotossíntese, as plantas produzem as substâncias nutritivas necessárias para seu desenvolvimento, e para repassar e distribuir essas substâncias, é necessário um sistema condutor.
As substâncias que a planta absorve diretamente do solo, como água e sais minerais, e leva diretamente para a folha é chamada de seiva bruta. Após o processo de fotossíntese, a seiva bruta é transformada em seiva elaborada, rica em nutrientes orgânicos. A partir daí, a seiva elaborada é levada para todas as partes da planta, e não somente nas folhas,como no caso da seiva bruta.
Para cada tipo de seiva existe um tecido condutor altamente especializado. O xilema é um tecido morto, responsável pelo transporte da seiva bruta para a realização da fotossíntese. Seus vasos são alongados e tubulares, com reforços de lignina.
O floema, diferentemente do xilema, é um tecido vivo e responsável pelo transporte da seiva elaborada. Geralmente, o floema é localizado numa posição externa ao eixo caulinar e na superfície inferior das folhas e órgãos de natureza foliar, assim,a direção natural em que o floema trabalha é das folhas para a planta, já que a seiva elaborada surge com a realização da fotossíntese.


Tecidos secretores

Existem tecidos que fabricam diversas substancias úteis à planta.Por exemplo, o néctar,que atrai insetos polarizadores.
Os pêlos glandulares de plantas carnivoras e da urtiga,fabricam um liquido cáustico,que irrita a pele,outro exemplo são os vasos laticíferos,que fabricam o látex.
As plantas  de clima úmido,em que a saida de vapor  de agua pelos estômagos é dificiu,apresentam na borda da folha pequenas aberturas, os hidatódios,que eliminam água na forma liquida.Chamado de gutação,esse fenômeno pode ser considerado excreção ,pois o excesso de água não desempenha nenhuma função na planta.
Há ainda as bolsas secretoras, que acumulam produtos que,em alguns casos,ajudam a afugentar insetos. 


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário